Lancôme | La vie est belle

Perfumes. Se tem uma coisa que eu amo e que gasto sem arrependimentos, são perfumes. Mas confesso que ultimamente poucas fragrâncias tem me despertado alguma curiosidade. Sou dessas que se encanta primeiro pelo nome, depois pelo frasco, só então vai realmente sentir o perfume. Assim que soube do lançamento de La vie este belle da Lancôme, a primeira coisa que pensei foi: este deve ser um bom perfume! Eu só não imaginava o quanto essa fragrância única poderia me cativar.

A vida é bela. Esta é a proposta da nova fragrância. Uma premissa tão simples e tão única. Traduzida não só em fragrância, mas no frasco. Um vidro que é um sorriso. Um frasco idealizado em 1949 por George Delhomme feito em cristal, de maneira artesanal e que, até então, era impossível de ser reproduzido. O sorriso de cristal. Este sorriso está impresso nas curvas do vidro que, ao mesmo tempo traduzem a feminilidade e a delicadeza da mulher livre, feliz, com aquele je ne sais quoi que deixa os olhos brilhando, o andar leve. Ser mulher. E para ser mais perfeito, uma fita de organza. Delicada e parisiense como a mansion.

Lancôme | La vie est belle

E dentro deste frasco único (um dos trabalhos mais bonitos que eu já vi, para ser bem honesta) há um líquido que… Ao mesmo tempo que é simples, traz uma complexidade de aromas, tão entrelaçados, tão bem escolhidos que é difícil descrever. Ele é doce. Um doce não enjoativo. Um doce que abre o sorriso, que te deixa feliz, que remete a sensações boas. Definitivamente um gourmand, mas um pouco mais leve, um pouco mais maduro. Como é uma fragrância que possui um alto índice de matérias primas naturais, ela é intensa e marcante. Luxuosa como um anel de diamantes, delicada como uma flor de íris e leve como a dança de uma bailarina. É assim que eu consigo descrever este perfume, uma obra prima da felicidade.

Sei que meu perfume favorito de todos os tempos sempre será o saudoso Miss Dior Chérie, mas desde a primeira borrifada, me enchi de alegria com esta fragrância. Aquela euforia de querer sentir aquele aroma bom o tempo todo. De se perder nas notas, ver o perfume explodir na pele e aos poucos ir tomando forma, esmaecendo sem desaparecer. Deixando na pele aquele delicado aroma que você sente prazer em sentir. Posso afirmar com todas as letras que La vie est belle, por toda a sua proposta, não apenas pelo perfume, ganhou um lugar cativo na minha coleção.

Se você gosta de perfumer doces, se você gosta de se envolver, experimente. Vale muito a pena!

Enviado por Assessoria
Be Sociable, Share!

    Comentários do Facebook

    comentários